Avaliação Psicológica

Oferecemos serviço de avaliação psicológica nas seguintes áreas, dentre outras:

  • AVALIAÇÕES PARA NR 33 E NR 35;
  • AVALIAÇÕES PARA TRABALHADORES EM SITUAÇÕES DE CONFINAMENTO;
  • AVALIAÇÕES PARA TRABALHADORES EM SITUAÇÕES DE ALTURA;
  • Adoção;
  • Aeronavegantes – pilotos, comissários, (CINDACTA);
  • Canditados a obtenção de porte de arma de fogo ou registro, (ou renovação) Polícia Federal
  • Cirurgias (Bariátrica, Ortognástica, controle de natalidade – Laqueadura, Vasectomia);
  • Clínicas infanto-juvenil, adultos e terceira idade;
  • Concursos públicos;
  • Desenvolvimento na primeira infância (0 a 2 anos);
  • Desenvolvimento psicológico para crianças;
  • Forense (perícias, quesitos, parecer psicológico);
  • Motorista, maquinista, operadores de guindaste;
  • Orientação vocacional/profissional;
  • Recursos de avaliação psicológicas em concursos públicos;
  • Reorientação de carreira;
  • Seleção e outras avaliações na área empresarial/organizacional;
  • Seleção ou aptidão para empresas de Vigilantes;
  • Trabalhadores em espaços confinados e/ou alturas conforme NR 33 e NR 35;

 Psicologia

Contribuição do Conselho Federal de Psicologia ao Ministério do Trabalho para integrar o Catálogo Brasileiro de Ocupações – enviada em 17 de outubro de 1992. Disponível em www.pol.org.br

“Procede ao estudo e análise dos processos intrapessoais e das relações interpessoais, possibilitando a compreensão do comportamento humano individual e de grupo, no âmbito das instituições de várias naturezas, onde quer que se dêem estas relações. Aplica conhecimento teórico e técnico da psicologia, com o objetivo de identificar e intervir nos fatores determinantes das ações e dos sujeitos, em sua história pessoal, familiar e social, vinculando-as também a condições políticas, históricas e culturais.

O Psicólogo, dentro de suas especificidades profissionais, atua no âmbito da educação, saúde, lazer, trabalho, segurança, justiça, comunidades e comunicação com o objetivo de promover, em seu trabalho, o respeito à dignidade e integridade do ser humano.

Contribui para a produção do conhecimento científico da psicologia através da observação, descrição e análise dos processos de desenvolvimento, inteligência, aprendizagem, personalidade e outros aspectos do comportamento humano e animal; analisa a influência de fatores hereditários, ambientais e psicosociais sobre os sujeitos na sua dinâmica intrapsíquica e nas suas relações sociais, para orientar-se no psicodiagnóstico e atendimento psicológico; promove a saúde mental na prevenção e no tratamento dos distúrbios psíquicos, atuando para favorecer um amplo desenvolvimento psicossocial; elabora e aplica técnicas de exame psicológico, utilizando seu conhecimento e práticas metodológicas específicas, para conhecimento das condições do desenvolvimento da personalidade, dos processos intrapsíquicos e das relações interpessoais, efetuando ou encaminhando para atendimento apropriado, conforme a necessidade. Participa da elaboração, adaptação e construção de instrumentos e técnicas psicológicas através da pesquisa, nas instituições acadêmicas, associações profissionais e outras entidades cientificamente reconhecidas. Realiza divulgação e troca de experiência nos eventos da profissão e comunidade científica e, à população em geral, difunde as possibilidades de utilização de seus recursos.

O psicólogo desempenha suas funções e tarefas profissionais individualmente e em equipes multiprofissionais, em instituições privadas ou públicas, em organizações sociais formais ou informais, atuando em: hospitais , ambulatórios, centros e postos de saúde, consultórios, creches, escolas, associações comunitárias, empresas, sindicatos, fundações, varas da criança e do adolescente, varas de família, sistema penitenciário, associações profissionais e/ou esportivas, clínicas especializadas, psicotécnicos, núcleos rurais e nas demais áreas onde as questões concernentes à profissão se façam presentes e sua atuação seja pertinente.”

Para o bom desempenho das atribuições o Psicólogo se faz valer de uma excelente avaliação psicológica, de cada caso e de cada situação para direcionar o seu trabalho de forma científica. (Conforme resolução CFP n.º 010/00 – de 20 de dezembro de 2000, em seu art. 2º).

Avaliação Piscológica

Encontramos na Psicologia um terreno fértil em discussão, já a partir de sua própria definição cuja matéria prima de estudo e do trabalho é nada mais que o SER HUMANO – sua história, suas expectativas, sua vida, seu comportamento.

Fruto do desejo e da tentativa do ser humano em se conhecer mais e mais, surge então esta nobre ciência como conseqüência de uma construção, apesar da intensidade das discussões, em franco desenvolvimento, crescendo a cada momento, com a minha, com a sua, com a nossa contribuição.

Quando o assunto é a formação do Psicólogo, muito nos inquieta a questão da Avaliação Psicológica. Um bom profissional da área de Psicologia deve entender bem o significado da Avaliação Psicológica, como um processo de construção de um saber acerca dessa escolha teórica metodológica.

Temos na avaliação psicológica uma área comum a todas as demais dentro da psicologia, pois que nenhuma conclusão é possível senão através da avaliação psicológica.

As áreas de avaliação hoje em dia são imensas e a cada momento mais e mais possibilidades vão se abrindo.

Podemos citar alguns exemplos de áreas nas quais a avaliação psicológica se impõe:

Área de Aviação

Na avaliação psicológica de aeronavegantes devemos ter o cuidado de elaborar baterias com base nas profissiografias e orientações para esta demanda especificamente, baseado em pesquisa dos fatores personalógicos principais para o bom desempenho da profissão em pauta. Impõem-se portanto levantamento de dados observando e investigando, dentre tantas questões se o avaliando possui entendimento da natureza da tarefa que irá desempenhar; se ele possui capacidade de abdicação de sua rotina atual em favor de novos interesses sem que isso possa gerar estresse em demasía, dentre tantos outros pontos a serem avaliados para a perfeita conclusão pelo psicólogo, sobre a indicação ou não desse avaliando para o desempenho das funções de cada cargo.

O Psicólogo para avaliar aeronavegantes necessita dominar técnicas específicas e instrumentos de uso exclusivo do psicólogo, programando baterias apropriadas para cada tipo de avaliação – Piloto Privado (Pp), Piloto Comercial (Pc), Piloto De Linha Aérea (Pla), Operador De Equipamentos Especiais (Oee), Controlador De Tráfego Aereo (Cta), Mecânico De Vôo (Mv); Observador De Estação Aeronáutica (Oea) E Comissário De Bordo (Cmo):

Área Jurídica

A avaliação psicológica com finalidades forenses, tem como suporte teórico a psicologia enquanto ciência independentemente da abordagem teórica adotada por cada profissional, mas necessita que se faça uma adaptação desses conhecimentos junto às normas legais. É fundamental ao psicólogo forense conhecer o sistema jurídico.

Na área forense os psicólogos devem utilizar outros métodos de investigação diferentes daqueles utilizados na clínica porque a natureza desta avaliação é uma adaptação das informações às questões formuladas, valorizando de modo diferenciado as estratégias para obtenção dos dados, de forma a obter uma maior confiabilidade dos mesmos. A estratégia e habilidade dos psicólogos aqui, é o fator determinante.

Há que se ter uma visão diferenciada do contexto do trabalho do psicólogo na área clínica e em sua atividade junto ao sistema judiciário. Da mesma forma há que se analisar por quais caminhos o profissional segue. Se ele trabalha em Instituições ou em seu consultório particular. Cada caso requer um conhecimento e práticas específicas.

A avaliação forense, dirige-se a eventos definidos de forma mais estreita ou a interações de natureza não-clínica, sempre relacionados a um foco determinado pelo sistema jurídico. Não se pode confundir área clínica com área forense, avaliar em uma e em outra área requer prática e habilidade, além do respeito ao ser humano que se apresenta.

O psicólogo avaliador forense deve preocupar-se com a exatidão da informação, na medida em que sua avaliação deve responder sobre fatos que extrapolam a subjetividade do examinando. As fontes de informação não devem restringir-se ao avaliando somente, mas a todas as fontes consideradas relevantes.

Deve-se considerar ainda que as pessoas quando encaminhadas, por um profissional da área da saúde, o fazem como conseqüência de sua vontade mas, aqueles que passam por uma avaliação forense o fazem por ordem judicial ou por orientação do seu advogado. Assim existe uma maior possibilidade de encontrarmos clientes não cooperativos, resistentes (quer por temor quanto ao resultado; quer pela intromissão de pessoas estranhas; quer pelo simples fato de não estarem dispostos a se expor).

Com todas estas questões os riscos quanto a validade deste tipo de avaliação psicológica, devem ser considerados, e é aqui que reside a importância ímpar da experiência prática do profissional, pois na área forense existe a ameaça da distorção consciente e intencional do avaliado. No contexto forense, em função da natureza da ação, as partes têm um advogado a instruí-lo sobre o que deve ser feito e o que não pode ser feito, assim às vezes alguma orientação pode interferir, distorcendo todo o objetivo da avaliação psicológica.

Nestas situações o psicólogo não só ocupa um lugar mais distante do avaliando como também poderá necessitar confrontá-lo freqüentemente, a fim de checar as informações dúbias de seu inconsciente. Com isso muitas vezes o examinando distorce sua percepção e percebe o psicólogo com interrogações na qual não confia, outras vezes busca estabelecer uma parceria com este profissional, tentando estreitar o relacionamento, tratando-o como amigo “o amigo pago”(???).

Na avaliação forense, quando realizada nas instituições, o tempo é reduzido o que repercute numa coerção ao fechamento do caso e numa diminuição da possibilidade de reconsiderar as formulações feitas. Ao mesmo tempo enfatiza-se a precisão da conclusão quanto à finalidade das disposições legais, vez que o resultado da avaliação torna-se um produto e passa a fazer parte dos registros do caso jurídico.

O psicólogo conta com uma série de instrumentos psicológicos, que o auxilia a objetivar o estado mental dos indivíduos. Alguns autores afirmam que o uso desses instrumentos seria o responsável pela solicitação crescente de laudos psicológicos, pois este uso seria o diferencial entre a avaliação psicológica e outras avaliações, vez que, nós podemos “medir” (através do testes psicológicos) de forma padronizada habilidades funcionais, déficits, aspectos de personalidade, aspectos neuropsicológicos e estado mental.

Hoje em dia, e, principalmente após a resolução CFP 02/2003 muitos psicólogos forenses utilizam instrumentos de medida além das entrevistas e outros métodos, sendo que a preferência é pelos testes projetivos, já que a possibilidade de manipulação é menor. Há inclusive, psicólogos que defendem a criação de um novo conjunto de instrumentos específicos para a avaliação forense, chamados de instrumentos Específicos de Avaliação Forense. Hoje os experts em avaliação psicológica trabalham com muitos instrumentos clínicos para o uso em perícias, e contamos com a escala Hare que está padronizada para a população brasileira forense, no entanto está padronizada apenas para população masculina carcerária.

Área Empresarial

Desenvolvemos nossas atividades de avaliação empresarial e consultoria buscando orientar, compartilhar, profissionalizar, e fazer acontecer de forma absolutamente personalizada em cada um de nossos clientes.

Nosso trabalho se destina a selecionar as melhores práticas de avaliação para cada empresa, sob a égide da competência, confiança, respeito e ética com o ser humano, o que faz a diferença e nos distingue neste mercado de trabalho.

O nosso objetivo principal é sermos os melhores provedores de serviços na área de avaliação, e consultoria fornecendo aos nossos clientes múltiplas soluções para lidar com questões comportamentais durante a jornada de trabalho, melhorando a qualidade de vida dos colaboradores, aumentando a produtividade e desempenho de cada um e do todo. Primando pela excelência na comunicação, mantendo a auto-estima e flexibilidade, motivando e liderando com qualidade.

Temos como principais valores a competência, lealdade, fidelidade, qualidade, integridade, confidencialidade, ética e respeito.

Motoristas/Maquinistas/operadores de Guindastes

Quando o nosso trabalho tem como foco o transporte, todas as cargas são consideradas dignas da mais absoluta atenção e cuidado. Todas elas exigem cuidados especiais, em cada carga considera-se a sua especificidade, e é neste contexto que a avaliação psicológica toma vulto e vem contribuir com a segurança no trânsito. O profissional desta área, aquele que dirige veículos e/ou máquinas pesadas como caminhões, carretas, tratores, trens, manipulando os comandos e conduzindo o veículo no trajeto indicado, segundo as regras de trânsito, para transportar cargas, necessita de criteriosa avaliação para que se confirme o seu perfil profissional de forma clara e inequívoca, diminuindo os riscos de acidentes, protegendo o motorista/maquinista/tratorista, a carga e todos os usuários das estradas de rodagem. Neste diapasão desenvolvemos uma maneira própria de avaliar condutores/motoristas.

Acostumados aos riscos, esses profissionais resumem os eventuais cuidados extras no transporte de cargas como bom senso, cuidados nas ultrapassagens, controle da velocidade adequada, manutenção de uma distância razoável dos demais veículos, dentre tantos outros cuidados, no entanto, aqueles que possuem o perfil adequado podem realizar estas funções múltiplas de uma forma mais adequada, rápida e pontual. Para tanto torna-se ímpar uma avaliação psicológica de excelente qualidade, com instrumentos adequados para esta função.

Devido ao crescimento e do desenvolvimento de nosso país, além da valorização destes profissionais, não basta que eles tenham todos os cursos exigidos por lei rigorosamente atualizados, precisamos testemunhar as habilidades, os traços de personalidade de cada um além de mantê-los atualizados com as novas tecnologias. Afinal este profissional tem que cuidar de si, do seu meio de transporte de cargas, da carga e dos outros.

A evolução do transporte de cargas exige profissionais altamente qualificados e apropriados para as expectativas de mercado, e é para suprir esta lacuna das áreas de transporte, que oferecemos a prestação de serviços na área da avaliação dos seus candidatos bem como avaliações psicológicas periódica para as empresas de transporte, por meio de métodos e técnicas de avaliação psicológica reconhecidos pelo Conselho Federal de Psicologia e adequados à área de atuação pretendida.

Para a realização do processo de avaliação dos candidatos ou funcionários agenda-se com antecedência e conforme as disponibilidades da empresa; cada avaliando será atendido, em um único dia, no qual ele realizará a bateria de testes.

Esperamos que você compartilhe de nosso entusiasmo, pois temos certeza que os benefícios decorrentes, reforçarão nossos compromissos em bem servi-los, vez que certamente somos os mais dedicados provedores de serviços na área de avaliação, e consultoria.

 

Avaliação Psicológica Aplicada a Trabalhadores em Situação de Confinamento – NR 33

Entende-se por espaço confinado toda e qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, possuindo meios limitados de entrada e saída. Com ventilação normalmente insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio. (NR-33)

A Avaliação Psicossocial para este contexto, contempla os aspectos comportamentais e de personalidade, além destes aspectos utilizamos testes que avaliam a potencialidade do indivíduo em relação a alguma característica pessoal, visando mapear a composição do perfil psicológico do indivíduo em espaço confinado.

Neste diapasão o perfil psicológico do socorrista é também muito importante, e a seleção de todos os profissionais envolvidos neste contexto, deve ser muito criteriosa buscando a excelência.

Importante que a avaliação psicológica seja utilizada desde a orientação e capacitação destes profissionais até a análise de personalidade.

Sendo o fator humano o mais importante que qualquer outro fator que deva ser considerado, toda cautela é necessária sendo que realização de avaliação psicológica como ferramenta complementar de avaliação para o trabalhador que necessite atuar em espaço confinado é uma forma de colaborar para a integridade física e emocional deste e de seus colegas.

Outras aplicações da avaliação psicológica:

Babás e Cuidadores.

  • Cirurgia bariátrica, vasectomia, laqueadura, cirurgia plástica/reparadora
  • Concursos Públicos
  • Crianças, Adolescentes e Adultos
  • Desportiva
  • Porte de Armas
  • Psicodiagnóstica
  • Segurança Pública e Privada

Avaliação Psicológica Aplicada a Trabalhadores em altura – NR 35

A NR-35 estabelece que o empregador deverá promover um programa para capacitação dos trabalhadores para a realização de trabalho em altura. Trabalhador capacitado para o trabalho em altura é aquele que foi submetido e aprovado em treinamento, teórico e prático, com carga horária mínima de oito horas. O conteúdo deve, no mínimo, incluir normas e regulamentos aplicáveis, dentre eles ao trabalho em altura; análise de risco e condições impeditivas; Equipamentos de Proteção Individual e condutas em situações de emergência.

Cabe ao empregador avaliar o estado de saúde dos trabalhadores que exercem atividades em altura, garantindo que:
a) os exames e a sistemática de avaliação sejam partes integrantes do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO, devendo estar nele consignados…

b) a avaliação seja efetuada periodicamente, considerando os riscos envolvidos em cada situação;

c) seja realizado exame médico voltado às patologias que poderão originar mal súbito e queda de altura, considerando também fatores psicossociais.

Comentário: O médico examinador deve focar seu exame sobre patologias [...] Fica reiterado que a indicação da necessidade de exames complementares é de responsabilidade do médico coordenador do PCMSO e/ou médico examinador. A partir desta perspectiva uma avaliação psicológica pode ser recomendável [...]